Conversa com a Presidenta

por Portal do Planalto publicado 27/03/2012 09h01, última modificação 03/11/2014 17h40
Presidenta Dilma conversa em sua coluna semanal sobre o Pronacampo, ProUni e sobre o atendimento no SUS

 

Coluna semanal da Presidenta Dilma Rousseff

Leonardo P. Levi, 38 anos, professor particular em São Paulo (SP) – O governo tem algum projeto de incentivo à leitura para os moradores do campo.

Presidenta Dilma – Leonardo, nós lançamos na semana passada o Programa Nacional de Educação do Campo (Pronacampo), que tem uma ação específica neste sentido – vamos distribuir livros para as bibliotecas de escolas rurais, buscando formar um acervo adequado à realidade do campo e das comunidades quilombolas. Com esta ação, até 2014 nós vamos atender 1,9 milhão de estudantes dos anos finais do ensino fundamental e do ensino médio. E nós já tínhamos um outro programa muito bem-sucedido, que é o Arca das Letras. Por este programa, desde 2003 o Ministério do Desenvolvimento Agrário já instalou 8.800 bibliotecas em mais de 3.200 municípios e capacitou 17.500 agentes de leitura para estimular e orientar os leitores. O objetivo é incentivar, no meio rural, o hábito da leitura, que é fundamental para a aprendizagem, o entretenimento e para a formação cidadã. As bibliotecas beneficiam localidades como assentamentos da reforma agrária, colônias de pescadores, associações de crédito fundiário, comunidades ribeirinhas, indígenas, quilombolas e agricultores familiares. O Arca das Letras está desenvolvendo a cultura da leitura na zona rural – as crianças e jovens são os mais entusiasmados, representando 70% dos frequentadores das bibliotecas.

Elcir Pinheiro Euzébio, 54 anos, dona de casa em Cabo Frio (RJ) – Por que não é aceito aluno de escola particular para bolsa do ProUni? Gostaria de fazer uma faculdade, mas meu diploma é de escola particular.

Presidenta Dilma – Elcir, o ProUni foi criado para permitir que estudantes de baixa renda pudessem ingressar no ensino superior, quando não tivessem oportunidade de cursar uma instituição pública. No caso dos estudantes egressos de escolas particulares, há sim a possibilidade de participação no Prouni, desde que tenham cursado o ensino médio na condição de bolsista integral da instituição. Caso tenham cursado apenas parte do ensino médio em escola particular, é preciso que nesse período tenham sido beneficiados com bolsa da instituição. Se não for esse o seu caso, você ainda pode recorrer ao Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), que financia estudos em curso superior privado. Desde 2010, o programa funciona com juros mais baixos, de 3,4% ao ano, e o aluno poderá quitar o empréstimo num prazo de três vezes o período financiado do curso, com carência de 18 meses. Além do mais, os professores poderão ter a dívida do Fies reduzida se atuarem na rede pública de educação básica. Os médicos também, desde que trabalhem em equipes do programa Saúde da Família. O ProUni, o FIES, a expansão do número de vagas nas universidades públicas, a adoção do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e o Sistema de Seleção Unificada (Sisu) são parte de nossa política de democratização e descentralização do acesso à educação superior.

Tiago da S. Martins, 20 anos, estudante em Ceilândia (DF) – Como o governo quer abrir mais leitos para os usuários de crack nos hospitais, se eles não conseguem nem atender as pessoas que vão?

Presidenta Dilma – Tiago, estamos trabalhando em várias frentes para que o atendimento no SUS seja ágil e de qualidade para todos, independentemente dos motivos que os levam a procurar assistência.  Em 2011, aumentamos em R$ 2,3 bilhões o total repassado anualmente a estados e municípios para assistência hospitalar. Foram criados mais 1.296 leitos de UTI, o maior número dos últimos 8 anos. Destinamos ainda R$ 720 milhões adicionais para hospitais filantrópicos e universitários e vamos investir R$ 20 bilhões até 2014, tanto em hospitais quanto em ambulatórios. Já iniciamos a implantação do SOS Emergências, para melhorar a gestão e o atendimento nos prontos-socorros dos 11 maiores hospitais públicos do país. Com o programa Melhor em Casa, oferecemos tratamento nos domicílios, o que contribui para descongestionar os hospitais. Em todo o país, já são 213 equipes. As ações voltadas para os dependentes químicos são parte deste processo de melhoria de toda a rede do SUS. Hoje eles já procuram as emergências hospitalares durante as crises. Além das enfermarias especializadas, estamos criando vagas também nos Centros de Atenção Psicossocial e nas Unidades de Acolhimento. Ao todo, até 2014, serão criados 13.518 leitos para atendimentos e internações durante crises de abstinência e em casos de intoxicações graves para os dependentes químicos.

 

Mais Informações
Secretaria de Imprensa da Presidência da República
Departamento de Relacionamento com a Mídia Regional
(61) 3411-1370/1601