Você está aqui: Página Inicial > Mandatos de Dilma Rousseff (2011-2015 e 2015-2016) > Café com a Presidenta > Café com a Presidenta > Programa de rádio “Café com a Presidenta”, com a Presidenta da República, Dilma Rousseff

Programa de rádio “Café com a Presidenta”, com a Presidenta da República, Dilma Rousseff

por Portal do Planalto publicado 28/06/2011 16h09, última modificação 03/11/2014 17h25
A Presidenta Dilma fala sobre os resultados da viagem à China, como a abertura para que mais produtos brasileiros entrem na China, e a assinatura de 20 acordos, principalmente nas áreas de ciência e tecnologia

Rádio Nacional, 18 de abril de 2011

Luciano Seixas: Olá, bom dia. Começamos agora mais um “Café com a Presidenta”, o nosso encontro semanal com a presidenta Dilma Rousseff. Tudo bem, Presidenta?

Presidenta: Tudo bem, Luciano. Um abraço a todos que nos acompanham.

Luciano Seixas: A senhora acaba de chegar da China. Nós acompanhamos daqui a sua agenda e os encontros realizados. Como foi a viagem, Presidenta?

Presidenta: Olha, Luciano, a viagem foi bastante proveitosa. Eu diria que foi muito bem-sucedida porque nós alcançamos os nossos principais objetivos: o de abrir as portas para que mais produtos brasileiros, produtos mais elaborados, entrassem na China; e trabalharmos juntos em áreas importantes, como a de ciência e tecnologia. Assinamos 20 acordos com o governo chinês. Alguns para desenvolvermos pesquisa nessa área – ciência e tecnologia – e também [para] fecharmos bons negócios com empresários, que vão investir mais no Brasil.

Luciano Seixas: E que investimentos são esses, Presidenta?

Presidenta: Sabe, Luciano, são investimentos que, além de trazer dinheiro e novas tecnologias, também vão gerar emprego para milhares de trabalhadores. Eu vou te dar alguns exemplos. A ZTE, que é uma grande empresa estatal chinesa que produz equipamentos para a área de comunicação, a ZTE vai construir uma nova fábrica, com investimento de mais de R$ 350 milhões, gerando milhares de novos empregos em Hortolândia, no interior de São Paulo. Outro exemplo foi a Foxconn, que é uma grande empresa, líder no setor de componentes para computadores, celulares e televisores. Esta empresa propôs, e nós vamos começar as negociações para a instalação de uma fábrica no Brasil que irá produzir telas de celulares, telas de televisores e telas de tablets, aqueles computadores pequenos que funcionam com um toque de dedo. Sabes qual, Luciano?

Luciano Seixas: Sim, Presidenta.

Presidenta: Nós não achamos que será fácil. Nós vamos ter muito trabalho pela frente, vamos ter de formar brasileiros e brasileiras capacitados para trabalhar nesta área de tecnologia de informação. Mas uma coisa é certa: as empresas não estão vindo para cá por acaso. No ano passado, o Brasil foi o terceiro país que mais vendeu computador no mundo, e isso significa um grande mercado potencial.

Luciano Seixas: E, com certeza, vai baratear o custo desses equipamentos aqui no Brasil.

Presidenta: Exatamente. Nós vamos popularizar esses equipamentos. Queremos que eles sejam comprados por qualquer cidadão.

Luciano Seixas: E que produtos brasileiros nós vamos vender para a China?

Presidenta: Um dos acordos que firmamos foi abrir o mercado chinês para a exportação de carne de porco. Um outro, ainda, foi para a venda de aviões. A Embraer já vende aviões para a China mas, nessa viagem, nós combinamos a venda de 35 aviões da família B-190. São jatos que vão gerar em torno de US$ 1 bilhão para o Brasil.

Luciano Seixas: Isso tudo melhora bastante o nosso comércio com a China, não é?

Presidenta: Sem dúvida, Luciano, melhora, sim. Olha, desde 2004, quando o presidente Lula esteve pela primeira vez na China, nós evoluímos muito no volume do nosso comércio, e a China tornou-se o nosso maior parceiro comercial. Essa parceria tem sido boa em vários setores. Nós realizamos, por exemplo, várias pesquisas e iniciativas na área de satélite. Lançamos, juntos, três satélites, e agora vamos lançar o quarto e o quinto. Esses satélites servem para acompanhar a agricultura, ver como está a lavoura, e também monitorar a Amazônia. E essa parceria vai ser muito importante para a implantação do nosso programa de prevenção de catástrofes.

Luciano Seixas: A senhora saiu satisfeita, então?

Presidenta: Muito satisfeita. Acho que foi um salto de qualidade nas nossas relações. Mas ainda queremos mais. Hoje nós vendemos muita matéria-prima para a China. Queremos vender a matéria-prima, mas também queremos vender os produtos mais elaborados. Vou explicar com um exemplo: o produto que mais vendemos para os chineses é o minério de ferro. Queremos também vender aço e mesmo produtos acabados de aço. Estou muito confiante na cooperação mútua entre o Brasil e a China.

Luciano Seixas: Falando em cooperação mútua, a senhora também esteve na reunião dos BRICS, cujo nome é composto pelas letras B, de Brasil; R, de Rússia; I, de Índia; C, de China; e agora S, de South África – África do Sul, em inglês. Como é que foi, Presidenta?

Presidenta: Foi muito importante, Luciano. Nessa reunião dos BRICS, nós discutimos temas importantes para os países em desenvolvimento, como o combate à pobreza, um comércio mundial mais equilibrado e o controle da especulação financeira, responsável pela crise. Também, Luciano, uma outra questão é importante: o Brasil foi convidado, pela primeira vez, para participar de um fórum – o Fórum de Boao – que reúne todos os governos, os empresários e as lideranças da Ásia. No Fórum de Boao, eu manifestei para o Primeiro-Ministro japonês, que estava presente, a solidariedade do governo e do povo brasileiro.

Luciano Seixas: Presidenta, estamos chegando ao fim do nosso bate-papo. Obrigado e até a semana que vem.

Presidenta: Eu é que agradeço, Luciano. Tchau!

Luciano Seixas: Você pode acessar este programa na internet. O endereço é www.cafe.ebc.com.br. Voltamos na segunda-feira. Até lá!

Ouça a íntegra da  entrevista (06min06s) da Presidenta Dilma no programa Café com a Presidenta