Você está aqui: Página Inicial > Mandatos de Dilma Rousseff (2011-2015 e 2015-2016) > Café com a Presidenta > Café com a Presidenta > Programa de rádio “Café com a Presidenta”, com a Presidenta da República, Dilma Rousseff

Programa de rádio “Café com a Presidenta”, com a Presidenta da República, Dilma Rousseff

por Portal do Planalto publicado 28/06/2011 17h35, última modificação 03/11/2014 17h25
A presidenta Dilma conversa sobre as novas condições de financiamento estudantil, que estão mais leves, com tempo de carência maior, e tendo o próprio governo como fiador

Rádio Nacional, 14 de fevereiro de 2011

Luciano Seixas: Oi, gente, eu sou o Luciano Seixas e estamos aqui para mais um encontro com a presidenta Dilma Rousseff. Bom dia, Presidenta. Tudo bem com a senhora?

 

Presidenta: Tudo bem, Luciano. Um bom dia também para você e para as pessoas que nos ouvem agora.

 

Luciano Seixas: Presidenta, aproveitando o início do ano letivo, vamos trocar umas ideias sobre educação?

 

Presidenta: Vamos lá, Luciano! Esse é um assunto sempre muito bom.

 

Luciano Seixas: Pois então, uma das questões de todo o início do ano é o pagamento da mensalidade, principalmente para quem é aluno de faculdade particular. Como é que está o financiamento estudantil neste ano?

 

Presidenta: Olha, Luciano, ele está muito mais acessível. O presidente Lula – sabe, Luciano – no final do ano passado lançou um programa chamado novo Financiamento Estudantil, o novo Fies. Agora, neste ano, eu vou implantar esse novo financiamento.

 

Luciano Seixas: A taxa de juros baixou, não é?

 

Presidenta: Baixou, sim. Agora a taxa é de 3,4% ao ano. O crédito ficou muito mais barato. Mas não é só isso, as condições gerais do financiamento estudantil estão muito mais leves. Por exemplo: o tempo de carência ficou maior. Agora você só vai começar a pagar o financiamento de seu curso superior um ano e meio depois de formado. Nesse ano e meio depois de formado você vai ter tempo de procurar um emprego e, dependendo do curso que você escolheu, esse pagamento pode ser feito em até 20 anos. Por exemplo, no caso do curso de Medicina. E atenção, se você fizer uma licenciatura, ou seja, estudar para professor e for dar aulas como professor ou professora nas escolas públicas, a sua dívida com o novo Fies será perdoada, ela será reduzida em 1% a cada mês de exercício profissional. Outra coisa importante: antes, se você tivesse renda de até um e meio salário mínimo, você precisava de um fiador para conseguir um empréstimo. Agora não, o próprio governo é seu fiador.

 

Luciano Seixas: E onde se informar sobre o Fies, Presidenta?

 

Presidenta: Na própria faculdade ou no portal do MEC. Eu quero acrescentar que o novo Fies é uma opção simples, não é por falta de opção que você não vai ter acesso à universidade. Tem o financiamento, o novo Fies, de que eu acabei de falar, tem as bolsas do ProUni para os estudantes de menor renda do ensino público. E aí, Luciano, é importante lembrar, o ProUni foi um programa que abriu as portas da universidade para jovens da escola pública que não tinham condições de pagar uma faculdade particular.

 

Luciano Seixas: Presidenta, agora vamos falar de Ensino Médio. Na semana passada, a senhora anunciou a criação de um novo programa de acesso à escola técnica. Como é que vai funcionar esse programa?

 

Presidenta: Olha, Luciano, ainda em março nós vamos lançar o Pronatec (Programa Nacional de Acesso à Escola Técnica). Qual é a nossa ideia? Da mesma forma que criamos centenas de milhares de oportunidades de acesso à educação superior, o Pronatec vai ampliar o caminho de acesso à educação profissional para os jovens do Ensino Médio e para os trabalhadores brasileiros sem formação profissional. O Pronatec será um conjunto de ações voltadas para os estudantes e trabalhadores que querem fazer um curso técnico e que não têm como pagar. Será um programa, tanto de bolsas quanto de financiamento estudantil. O novo Fies, por exemplo, estará dentro do Pronatec e, assim, também o estudante do Ensino Médio vai poder ter seu financiamento para estudar em escolas técnicas privadas. Nós estamos criando novas condições para que o jovem conclua o Ensino Médio mais bem preparado, com diploma de curso técnico debaixo do braço.

 

Luciano Seixas: O que acontece, Presidenta, com o jovem bem qualificado, é que ele tem melhores oportunidades, não é mesmo?

 

Presidenta: Ah, é sim, Luciano. Os jovens bem qualificados estão sendo muito disputados pelas empresas. A economia, Luciano, é muito dinâmica, e nossa juventude não pode ficar para trás. Por isso mesmo, também queremos ampliar o acesso do jovem ao Ensino Médio de tempo integral. Em um turno, o aluno faz o curso tradicional; no outro, vai aprender uma profissão, vai ter também acesso à cultura e ao esporte. Então, eu quero falar com você que é mãe e pai, também com você que está no finalzinho do Ensino Fundamental: saiba que o governo está investindo na formação da nossa juventude.

 

Luciano Seixas: E para o trabalhador, o que o Pronatec prevê?

 

Presidenta: Sabe, Luciano, o mercado de trabalho está oferecendo boas oportunidades e melhores salários para quem tem qualificação. Isso vale para o jovem que sai do Ensino Médio, e para o trabalhador que já está trabalhando ou quer entrar no mercado de trabalho. Hoje, no Brasil, quem tem informação tem emprego. Por isso, no âmbito do Pronatec também ofereceremos formação profissional, em cursos com carga horária a partir de 160 horas para o trabalhador e a trabalhadora brasileira.

 

Luciano Seixas: Obrigado, presidenta Dilma Rousseff. Foi ótimo conversar com a senhora hoje.

 

Presidenta: Eu é que agradeço, Luciano. E para você que está começando o ano letivo, meu desejo é que este seja um ano muito proveitoso. Até a semana que vem, Luciano.

 

Luciano Seixas: Até lá, Presidenta. E lembre-se, você pode ouvir este programa na internet também. O endereço é www.cafe.ebc.com.br. O “Café com a Presidenta” volta na próxima segunda-feira. Tchau!

Ouça a íntegra da  entrevista  (06min03s) da Presidenta Dilma no programa Café com a Presidenta