Você está aqui: Página Inicial > Mandatos de Dilma Rousseff (2011-2015 e 2015-2016) > Café com a Presidenta > Café com a Presidenta > Programa de rádio “Café com a Presidenta”, com a Presidenta da República, Dilma Rousseff

Programa de rádio “Café com a Presidenta”, com a Presidenta da República, Dilma Rousseff

por Portal do Planalto publicado 17/09/2012 08h40, última modificação 03/11/2014 17h28
Presidenta Dilma fala sobre a redução da conta de energia elétrica

Rádio Nacional, 17 de setembro de 2012


 

Luciano Seixas: Olá você em todo o Brasil, eu sou o Luciano Seixas e começa agora mais um Café com a Presidenta Dilma. Bom dia, Presidenta!

Presidenta: Bom dia, Luciano! E bom dia para você que nos acompanha aqui no Café!

Luciano Seixas: Presidenta, hoje, eu queria conversar com a senhora sobre esta ótima notícia, que é a redução da conta de energia elétrica.

Presidenta: Olha, Luciano, a partir de fevereiro de 2013, todos os consumidores vão pagar menos pela conta de luz. A conta de luz das residências vai ficar 16,2% mais barata; nas indústrias, a redução pode chegar a 28%, dependendo do nível de tensão. Sabe, Luciano, a redução das tarifas de energia é resultado do esforço que nós começamos a fazer lá em 2003, no início do governo do presidente Lula. Naquela época, o Brasil enfrentava sérios problemas de falta de energia elétrica depois de oito meses de racionamento. Não havia planejamento e nem investimentos suficientes nesse setor, estratégico para o desenvolvimento do nosso país. Foi aí que fizemos um grande esforço e implantamos um novo modelo para o setor elétrico no Brasil. Um modelo que eliminou o risco de racionamento, criou condições para o aumento dos investimentos em geração, ampliou as redes de transmissão e distribuição. Agora, nós estamos tomando uma medida histórica. Vamos reduzir o preço da energia elétrica porque pagamos por ela durante anos.

Luciano Seixas: Como o governo vai conseguir reduzir as tarifas, Presidenta?

Presidenta: Olha, Luciano, o governo decidiu renovar agora as concessões para as empresas de geração, de transmissão e de distribuição de energia elétrica, que venceriam de 2015 a 2017. Essas concessões são contratos assinados pelo governo com as empresas de energia para a prestação desse serviço para a população. O governo, então, está oferecendo às empresas de energia elétrica a oportunidade de renová-los, mas com uma condição, Luciano: que aquilo que já foi pago seja retirado da conta de luz. Porque os investimentos feitos lá atrás por essas empresas para construir as hidrelétricas e ampliar as linhas de transmissão e distribuição foram pagos pelos consumidores nas suas contas de luz.

Luciano Seixas: O governo também está contribuindo com parte dessa redução, Presidenta?

Presidenta: Nós estamos reduzindo as taxas que são cobradas na conta de luz para atender a população mais pobre, com o programa Luz para Todos e a Tarifa Social de Energia e, também, para levar luz mais barata para as áreas isoladas do interior do país. O governo, Luciano, está deixando de cobrar essas taxas, mas vai continuar investindo R$ 3,3 bilhões por ano para continuar com esses programas.

Luciano Seixas: Presidenta, explica para a gente como essa redução vai aparecer na conta de luz.

Presidenta: Olha, Luciano, o desconto vai ser feito sobre o consumo da família. Eu vou te dar um exemplo da família da Dona Fátima Bento, lá de São José, em Santa Catarina. Ela, o marido e os dois filhos vivem em uma casa que teve um consumo de 440kw/h em julho. Por esse consumo, a Dona Fátima pagou R$ 194,57. Vamos supor que a Dona Fátima continue, lá em fevereiro, consumindo os mesmos 440kw/h. Com a redução do preço que nós anunciamos, a Dona Fátima vai pagar 16,2% a menos de energia na sua conta. Ela vai pagar, então, R$ 163,05. Veja só, Luciano, a conta de luz da Dona Fátima vai ficar R$ 31,50 mais barata.

Luciano Seixas: Presidenta, o país está preparado para garantir o fornecimento de energia elétrica mesmo com a redução das tarifas?

Presidenta: Sem dúvida nenhuma, Luciano. Porque nós fizemos os investimentos necessários para garantir a oferta de energia no país e, principalmente, voltamos a planejar. Isto foi fundamental para afastar o risco de falta de energia. Agora, nós vamos ser ainda mais rigorosos e cobrar mais qualidade dos serviços prestados à população. A Agência Nacional de Energia Elétrica, a Aneel, está aprimorando os índices de qualidade, que serão exigidos das empresas que fornecem energia, assim como nós estamos fazendo com o serviço de telefone, de internet e outros. Afinal, o consumidor está pagando e tem de ter seus direitos respeitados.

Luciano Seixas: E a redução na tarifa de energia elétrica também beneficia toda a economia do país, não é mesmo?

Presidenta: Ah, beneficia sim, Luciano. A redução das tarifas de energia elétrica significa que as nossas indústrias terão menor custo de produção, poderão gerar mais empregos e oferecer produtos mais baratos para a população. Isso, Luciano, se chama competitividade, e uma indústria mais competitiva, Luciano, produz mais, investe mais e gera mais empregos, aumentando a renda dos trabalhadores e fazendo a roda da economia girar mais rapidamente.

Luciano Seixas: Presidenta, a conversa está boa, mas, infelizmente, o nosso tempo hoje chegou ao fim. Obrigado por mais este Café.

Presidenta: Obrigada, Luciano. Uma boa semana para você, ouvinte. Até a semana que vem!

Luciano Seixas: Você que nos ouve pode acessar este programa na internet, o endereço é www.cafe.ebc.com.br. Nós voltamos na próxima segunda-feira. Até lá!

 

Ouça a íntegra da entrevista (06min13s) da Presidenta Dilma