Você está aqui: Página Inicial > Mandatos de Dilma Rousseff (2011-2015 e 2015-2016) > Café com a Presidenta > Café com a Presidenta > Programa de rádio “Café com a Presidenta”, com a Presidenta da República, Dilma Rousseff

Programa de rádio “Café com a Presidenta”, com a Presidenta da República, Dilma Rousseff

por Portal do Planalto publicado 12/03/2012 08h31, última modificação 03/11/2014 17h27
Presidenta Dilma fala sobre o Programa Mais Educação e a mudança no programa Minha Casa Minha Vida

Rádio Nacional, 12 de março de 2012

 

Luciano Seixas: Olá, amigos. Eu sou o Luciano Seixas e começa agora mais um “Café” com a presidenta Dilma. Bom dia, Presidenta.

Presidenta: Bom dia, Luciano. E bom dia aos nossos ouvintes.

Luciano Seixas: Presidenta, a educação em tempo integral já é uma realidade em muitas escolas públicas brasileiras. Conta para a gente, como é o programa do governo federal para esses estudantes?

Presidenta: Olha, Luciano, o Programa Mais Educação - Educação [Integrada] em Tempo Integral é responsável por uma grande transformação que já estamos fazendo em 15 mil escolas do Ensino Fundamental de todo o país. Dois milhões e oitocentos mil estudantes, do 1º ao 9º ano hoje, já ficam na escola o dia todo. Eles participam de atividades orientadas, que vão desde o acompanhamento das tarefas escolares até a prática de esportes, aulas de artes e informática, tudo isso em um turno complementar. Até o fim do ano, o Mais Educação estará em 30 mil escolas públicas. Vai, aí, alcançar 5 milhões de estudantes em todo o Brasil, inclusive na área rural. Isso significa que vamos alcançar a meta que tínhamos para 2014. E queremos mais: nossa nova meta, Luciano, será chegar a 60 mil escolas.

Luciano Seixas: Presidenta, antigamente, só as crianças de escolas particulares tinham acesso a essas atividades.

Presidenta: É, Luciano. Ter acesso à escola em tempo integral era mesmo um privilégio das famílias de maior renda e dos países desenvolvidos. Mas agora, com o Mais Educação-Escola Integral, mais crianças e adolescentes do Brasil que estudam em escolas públicas também têm acesso a essas atividades. Elas ficam na escola, no mínimo, sete horas por dia. Lá recebem um lanche pela manhã, almoçam e depois, à tarde, fazem um novo lanche. E o que é importante: têm reforço em matemática, português, ciências, praticam esportes, têm aula de artes e ainda fazem informática. O MEC está com as inscrições abertas para novas adesões das prefeituras até o dia 30 de março. Vamos investir – para você ter uma ideia, Luciano – R$ 1,4 bilhão, neste ano de 2012, para garantir a estrutura do Mais Educação a todas as escolas inscritas no Programa.

Luciano Seixas: Como são selecionadas as escolas para o Mais Educação, Presidenta?

Presidenta: Olha, Luciano, nossa prioridade, este ano, são as escolas onde estudam os beneficiários do Bolsa Família e também aquelas que tiveram uma avaliação baixa do Ideb, que é o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica, do MEC. As atividades complementares, Luciano, podem contribuir muito para melhorar a qualidade da educação das nossas crianças. Foi exatamente isso que aconteceu com a Pietra, que mora lá em Esteio, no Rio Grande do Sul. Ela começou a fazer judô na escola, com o Mais Educação, e aprendeu a gostar e a se dedicar ao esporte, que exige, Luciano, muita disciplina. No ano passado a Pietra ganhou um campeonato gaúcho de judô na sua categoria. Neste ano, ela mudou de escola porque foi para o Ensino Médio, mas se tornou um exemplo, uma referência, incentivando outras crianças.

Luciano Seixas: E essas atividades estão melhorando o desempenho dos alunos?

Presidenta: Luciano, esse é o efeito mais importante do Programa: melhorar o aprendizado e o interesse dos estudantes pela escola. No Rio de Janeiro, por exemplo, os estudantes do 5º e do 9º ano do Mais Educação conseguiram aumentar suas notas de português e de matemática. Isso mostra como a escola em tempo integral é importante para dar aos estudantes novas oportunidades. É uma forma, Luciano, de superar desigualdades, permitir que todas as crianças tenham uma boa educação e tenham acesso a atividades que serão muito importantes para o seu futuro. É uma mudança na forma de fazer educação no Brasil. Aliás, Luciano, eu não posso deixar de comentar e de homenagear uma pessoa que sempre lutou pela educação em tempo integral: o Leonel Brizola, que começou a fazer isso no Rio, mas não teve condições de implantar porque estava fazendo isso localizadamente. Agora, o MEC vai fazer um grande esforço para assegurar educação em tempo integral para os nossos alunos.

Luciano Seixas: Antes de terminar o programa de hoje, Presidenta, eu queria pedir que a senhora explicasse para os nossos ouvintes a mudança no programa Minha Casa Minha Vida, que a senhora anunciou no Dia Internacional da Mulher.

Presidenta: Ah Luciano, essa mudança é um reconhecimento do papel que a mulher brasileira desempenha como chefe de família. A partir de agora, as moradias do Minha Casa Minha Vida, adquiridas pelas famílias com renda até R$ 1.600, vão ser registradas sempre no nome das mulheres. Elas serão donas do imóvel, mesmo em caso de separação ou divórcio. É uma garantia, Luciano, muito importante para as mulheres e para as suas famílias, pois a gente sabe que, nessas horas, a maior responsabilidade pela educação e sustento dos filhos acaba ficando mesmo é com as mulheres. O pai só terá direito à propriedade quando tiver a guarda exclusiva dos filhos. Essa é uma mudança importante porque valoriza as mulheres, protege as crianças e garante um futuro melhor para todos os brasileirinhos e as brasileirinhas.

Luciano Seixas: Presidenta, nosso tempo chegou ao fim. Obrigado por mais este “Café”.

Presidenta: Eu é que agradeço a você, Luciano, e também aos ouvintes que nos acompanharam hoje.

Luciano Seixas: Você que nos ouve pode acessar o “Café com a Presidenta” na internet. O endereço é www.cafe.ebc.com.br. Nós voltamos na próxima segunda-feira, até lá.

 

Ouça a íntegra da entrevista (06min17s) da Presidenta Dilma