Você está aqui: Página Inicial > Mandatos de Dilma Rousseff (2011-2015 e 2015-2016) > Café com a Presidenta > Café com a Presidenta > Programa de rádio “Café com a Presidenta”, com a Presidenta da República, Dilma Rousseff

Programa de rádio “Café com a Presidenta”, com a Presidenta da República, Dilma Rousseff

por Portal do Planalto publicado 05/12/2011 08h56, última modificação 03/11/2014 17h26
Presidenta Dilma fala sobre o programa Minha Casa, Minha Vida

Rádio Nacional, 05 de dezembro de 2011

 

Luciano Seixas: Olá, você em todo o Brasil. Eu sou o Luciano Seixas e começa agora mais um “Café” com a presidenta Dilma Rousseff. Bom dia, Presidenta.

Presidenta: Bom dia, Luciano. E bom dia aos ouvintes que nos acompanham.

Luciano Seixas: Hoje nós vamos falar sobre o programa Minha Casa, Minha Vida. A senhora tem um balanço novo do programa, não é, Presidenta?

Presidenta: Temos uma notícia muito boa para os nossos ouvintes. O Minha Casa, Minha Vida 2 contratou, só este ano, a construção de 354 mil moradias em todo o Brasil. Esse número se soma a um milhão e cinco mil casas e apartamentos contratados na primeira fase do programa, no governo do presidente Lula. Além disso, também em 2011, já foram concluídas as obras de mais de 400 mil casas e apartamentos, e temos mais de 500 mil ainda em obras. É o sonho da casa própria, Luciano, o sonho de muitos brasileiros e brasileiras se tornando realidade.

Luciano Seixas: E quanto o governo está investindo no Minha Casa, Minha Vida, Presidenta?

Presidenta: Olha, Luciano, nós estamos investindo muito. Só na segunda fase do programa serão R$ 125,7 bilhões para a construção de 2 milhões de moradias, até 2014. Sabe, o Minha Casa, Minha Vida é o maior e mais amplo programa de habitação que o país já teve – podemos nos orgulhar disso – e sua prioridade é atender a população de baixa renda. Este é um investimento que vale a pena. Nós sabemos bem como a casa própria é importante para as pessoas. É um investimento que se faz na proteção da família, porque a casa da gente é a nossa segurança. É também o local onde criamos nossos filhos, enfim, Luciano, é a nossa referência.

Luciano Seixas: E esse programa também traz benefícios para a economia e para toda a sociedade, não é?

Presidenta: É isso aí, Luciano. Os investimentos na construção civil beneficiam a todos nós, porque esse é um setor que gera muitos empregos. Ele ajuda a manter o mercado de trabalho aquecido, mesmo com a crise econômica internacional, Luciano, que está afetando os Estados Unidos e os países da Europa. Neste ano, por exemplo, até outubro, o setor já abriu mais de 309 mil vagas. Com mais empregos e com mais consumo, a economia se mantém em crescimento.

Luciano Seixas: Presidenta, que famílias são beneficiadas com o Minha Casa, Minha Vida?

Presidenta: Olha, Luciano, a prioridade é atender as famílias de mais baixa renda, aquelas famílias, Luciano, que ganham até R$ 1.600. A partir deste ano, 60% das moradias construídas na segunda etapa do Minha Casa, Minha Vida – ou seja, 1,2 milhão de unidades – irão para essas famílias de mais baixa renda. Mas a classe média, Luciano, também tem, no programa, oportunidade de comprar a sua casa própria. Para quem ganha até R$ 3.100, serão 600 mil unidades. O restante vai para aquelas famílias com renda um pouco maior, até R$ 5 mil. A casa própria, Luciano, sem dúvida, é fundamental para dar qualidade de vida para as famílias brasileiras. Nós queremos ver cada dia mais famílias alcançarem a classe média.

Luciano Seixas: Presidenta, mas uma família que ganha menos de R$ 1.600 vai conseguir pagar as prestações?

Presidenta: Vai, sim, Luciano, vai sim, porque, para essas famílias, a maior parte da casa será paga pelo governo. A família que ganha menos de R$ 500 vai pagar uma prestação de R$ 50 por mês. Quem ganha mais, vai comprometer apenas 10% de sua renda. Nos dois casos, as prestações serão pagas durante dez anos, e a diferença entre o valor pago e o custo da casa fica por conta do governo, ninguém acumula dívida.

Luciano Seixas: E para quem ganha mais de R$ 1.600?

Presidenta: Olha, Luciano, para aquelas famílias com renda de até R$ 3.100, o governo também está subsidiando, ou seja, pagando, em média, por cada casa, R$ 23 mil. Para as famílias que recebem até R$ 5 mil, os juros serão mais baixos, em torno de 8% ao ano. E, além disso, o governo vai pagar os seguros que fazem parte desse tipo de financiamento e que, geralmente, pesam muito nas prestações.

Luciano Seixas: O programa também dá prioridade às famílias que vivem em situação de risco, Presidenta?

Presidenta: Eu vou te contar uma história para mostrar, Luciano, como este programa é importante. É o caso do Giovanildo da Silva, que mora lá em Jaraguá do Sul, em Santa Catarina, com a esposa e os dois filhos. O Giovanildo perdeu a casa onde morava por conta das enchentes. Mas não foi só uma vez, foram duas vezes. Na última enchente, perdeu tudo e teve que viver com a família em um abrigo da prefeitura. Mas, em setembro deste ano, ele recebeu um apartamento do Minha Casa, Minha Vida. Ele paga por esse apartamento uma prestação de apenas R$ 118. Nós temos histórias parecidas com a do Giovanildo. Para essas famílias, o Minha Casa, Minha Vida já contratou a construção de 42 mil casas e apartamentos. A casa própria, Luciano, vai ajudar essas famílias a recomeçar suas histórias.

Luciano Seixas: Bem, Presidenta, infelizmente o nosso tempo chegou ao fim. Obrigado por mais este “Café”.

Presidenta: Muito obrigada, e uma boa semana para todos.

Luciano Seixas: Você que nos ouve pode acessar este programa na internet, o endereço é www.cafe.ebc.com.br. Voltamos segunda-feira, até lá.

 

Ouça a íntegra da entrevista (06min21s) da Presidenta Dilma