Você está aqui: Página Inicial > Mandatos de Dilma Rousseff (2011-2015 e 2015-2016) > Café com a Presidenta > Café com a Presidenta > Programa de rádio “Café com a Presidenta”, com a Presidenta da República, Dilma Rousseff

Programa de rádio “Café com a Presidenta”, com a Presidenta da República, Dilma Rousseff

por Portal Planalto publicado 09/12/2013 08h20, última modificação 03/11/2014 17h27
Presidenta Dilma Rousseff faz um balanço sobre o programa Minha Casa, Minha Vida

 

Rádio Nacional, 09 de dezembro de 2013


Luciano Seixas: Olá, bom dia! Eu sou o Luciano Seixas e começa agora mais um Café com a Presidenta Dilma. Bom dia, presidenta!

Presidenta: Bom dia, Luciano! E bom dia para você que nos acompanha aqui no Café hoje!

Luciano Seixas: Presidenta, hoje, eu queria que a senhora fizesse aqui para a gente um balanço sobre um programa que é um sucesso absoluto no seu governo, o Minha Casa, Minha Vida.

Presidenta: Olha, Luciano, eu tenho um imenso prazer em falar sobre o Minha Casa, Minha Vida, porque eu tenho andado muito pelo país e sei o quanto o Minha Casa, Minha Vida mudou a vida de milhões de pessoas. Veja só, no meu governo, nós já contratamos 2,065 milhões de moradias. Se a gente somar tudo o que foi contratado no meu governo com as casas contratadas no governo Lula, são mais de 3 milhões de moradias em todo o país. Desse total, nós já entregamos mais de 1,4 milhão de casas e apartamentos. É por isso, Luciano, que o Minha Casa, Minha Vida é realmente um sucesso como você mesmo disse, é o maior programa habitacional da história deste país. Nós estamos atendendo famílias, que, sem o apoio e os recursos do governo, não poderiam nem sonhar em ter a casa própria. Mas, agora, elas estão, com o seu esforço também, realizando o sonho de receber a chave da casa, de ter o seu lar. Mais do que tudo, Luciano, o Minha Casa, Minha Vida significa segurança e conforto, porque ter uma casa significa ter onde abrigar sua família. É na casa da gente que criamos nossos filhos, recebemos nossos amigos, temos um lugar para o estudo e para o lazer, nos sentimos seguros. Enfim, a casa é onde a gente se sente feliz.

Luciano Seixas: A casa da gente é tudo, não é, presidenta? E agora, olhando para o futuro, quantas casas vão ser contratadas a mais em 2014?

Presidenta: Olha, Luciano, nós ainda vamos contratar mais 700 mil casas de agora até o final do ano que vem, porque a nossa meta é chegar com 2,750 milhões de casas contratadas somente durante o período do meu governo, de 2011 até o final de 2014. Como nós já contratamos 2,065 milhões, faltam 700 mil casas para serem contratadas. O trabalho duro que nós fizemos até agora nos dá, Luciano, a certeza de que vamos conseguir chegar lá.

Luciano Seixas: Presidenta, eu sei que a maioria dessas casas está nas cidades, mas também tem casa do Minha Casa, Minha Vida sendo construída na zona rural?

Presidenta: Ah, tem sim, Luciano. Essa é uma grande novidade: nós chegamos, agora em novembro, a 100 mil casas contratadas na zona rural, e elas estão espalhadas por todos os estados do nosso grande e imenso Brasil. Isso mostra, Luciano, que o Minha Casa, Minha Vida está chegando onde nenhum outro programa habitacional chegou antes neste país. São agricultores e trabalhadores rurais, Luciano, que moravam em casas de taipa, de madeira ou mesmo em casas de alvenaria muito precárias, e que agora estão conquistando uma moradia digna. Olha só o caso do Sr. João Hilário Petri, de 61 anos, que mora em um sítio na Linha Pito Aceso, em Enéas Marques, lá no Paraná. O Sr. João contou para a gente que, na casa antiga onde ele morava, sabe, Luciano, ele passava muito frio no inverno. Quando chovia, então, molhava tudo. Mas agora ele está todo satisfeito, porque ele conseguiu um financiamento pelo Minha Casa, Minha Vida Rural e construiu uma casa novinha em folha. Ela tem três quartos, sala, cozinha, banheiro e até uma área para colocar o tanque de lavar roupa. Esse é o segundo Natal, Luciano, que o Sr. João Hilário e a mulher dele, a Dona Valdete, vão passar na casa nova. Eles estão numa felicidade só.

Luciano Seixas: Que história bonita, não é, presidenta?! Agora, explica melhor como as pessoas da zona rural, como o Sr. João Hilário, podem ser beneficiadas pelo Minha Casa, Minha Vida?

Presidenta: Veja só, Luciano, na zona rural, o Minha Casa, Minha Vida tem regras um pouquinho diferentes: o crédito é de até R$ 30.500,00 para a Região Norte e de até R$ 28.500,00 para o restante do país. As famílias, Luciano, com renda de até R$ 15 mil por ano pagam 4% do valor do empréstimo em quatro anos e o restante é pago pelo governo federal sob a forma de subsídio. Já as famílias, Luciano, que ganham entre R$ 15 mil e R$ 30 mil por ano têm um subsídio do governo federal de R$ 7.610,00. O restante são elas que pagam. E as famílias que ganham entre R$ 30 mil e R$ 60 mil por ano têm acesso a um juro subsidiado de 7,16% ao ano ao tomar um empréstimo da casa própria. Do mesmo jeito que ocorre no Minha Casa, Minha Vida das áreas urbanas, sem o subsídio do governo federal, a maioria dos beneficiados das áreas rurais não teria como pagar o imóvel. O Minha Casa, Minha Vida Rural funciona assim, Luciano: as famílias procuram a prefeitura, o governo do estado ou, então, a sua associação, o seu sindicato ou a sua cooperativa, aí é feito uma lista das pessoas que estão querendo construir ou reformar a casa. Em seguida, eles procuram a Caixa. É lá que sai o financiamento que pode ser usado para construir ou para reformar a casa antiga. E tem mais uma coisa, Luciano, na zona rural, a casa pode ser feita por uma construtora, ou em um esquema de mutirão ou também pelo próprio agricultor. Como o nosso povo é batalhador, sabe o que acontece, Luciano? Em muitos casos, o agricultor vai lá, financia a compra dos materiais e ele mesmo constrói a casa com ajuda dos amigos. Aí, com o dinheiro do Minha Casa, Minha Vida Rural, o pessoal, às vezes, consegue até fazer uma casa maior, de 80 metros quadrados, por exemplo.

Luciano Seixas: Nossa, que legal, presidenta! Agora, eu estava vendo os números e percebi que o Minha Casa, Minha Vida está financiando muitos apartamentos nas cidades, já que os terrenos vão ficando cada vez mais escassos. Para muita gente, morar em apartamento é uma mudança de vida, não é mesmo?

Presidenta: É sim, Luciano. Veja você que 1/3 dos imóveis contratados pelo Minha Casa, Minha Vida são de apartamentos, e a vida em um condomínio está sendo uma novidade para muita gente. Quando moramos em uma casa, Luciano, é a gente mesmo que cuida do quintal, do jardim, troca a luz do lado de fora, varre a calçada ou pinta o muro. Agora, quando mudamos para um apartamento, isso tudo é feito junto com os moradores dos outros apartamentos, e aí, as decisões precisam ser tomadas em conjunto. Por isso, quando o pessoal recebe as chaves dos apartamentos, a primeira coisa a fazer é montar o condomínio para manter o prédio bem conservado e limpo, e dividir os gastos com esses serviços. Foi pensando nisso que fizemos agora uma mudança para melhorar ainda mais o Minha Casa, Minha Vida. O programa vai pagar, durante um ano, empresas especializadas que vão ensinar os moradores a montar o condomínio e a organizar as suas contas.

Luciano Seixas: Agora, só para a gente lembrar o pessoal que mora na cidade, quem tem direito ao Minha Casa, Minha Vida, presidenta?

Presidenta: Olha, Luciano, na área urbana, o Minha Casa, Minha Vida financia imóveis para quem ganha até R$ 5 mil. Para a faixa 1, que é quem recebe menos, de R$ 1.600,00/mês de salário, o governo paga até 96% do valor do imóvel, e a prestação não pode passar de 5% da renda familiar. O prazo para o pagamento é de até dez anos. Na faixa 2, para quem ganha de R$ 1.600,00 a R$ 3.275,00, o beneficiado pelo Minha Casa, Minha Vida pode ter um subsídio de até R$ 25 mil. Na faixa 3, para quem ganha de R$ 3.275,00 até R$ 5 mil, o subsídio está no pagamento de apenas 15% do valor do seguro e na taxa de juros de 7,16%. Luciano, além de realizar o sonho da casa própria para milhões de brasileiros, o Minha Casa, Minha Vida é importante para todo o país. As obras do programa movimentam toda a economia brasileira, tem casa do Minha Casa, Minha Vida espalhada pelo país inteiro. E para construí-las, milhões de empregos são gerados: pedreiros, carpinteiros, serralheiros, azulejistas e muitos outros trabalhadores, Luciano, estão com emprego garantido pelo Minha Casa, Minha Vida. Essas obras também movimentam construtoras, fábricas de cimento, tijolos, cerâmicas, telhas e material de acabamento. Enfim, o Minha Casa, Minha Vida ativa a economia, gera empregos e cria oportunidade para todos.

Luciano Seixas: Com certeza, presidenta. Agora, infelizmente, o nosso tempo acabou. Obrigado por mais esse Café.

Presidenta: Olha, Luciano, muito obrigada. Uma boa semana para você e um abraço aos nossos ouvintes.

Luciano Seixas: E você encontra o nosso Café com a Presidenta lá no site: www.cafe.ebc.com.br. Nós voltamos na próxima segunda-feira. Até lá!

 

Ouça a íntegra da entrevista (09min58s) da Presidenta Dilma Rousseff