Você está aqui: Página Inicial > Mandatos de Dilma Rousseff (2011-2015 e 2015-2016) > Café com a Presidenta > Café com a Presidenta > Programa de rádio “Café com a Presidenta”, com a Presidenta da República, Dilma Rousseff

Programa de rádio “Café com a Presidenta”, com a Presidenta da República, Dilma Rousseff

por Portal do Planalto publicado 14/10/2013 08h50, última modificação 03/11/2014 17h29
Presidenta Dilma Rousseff fala sobre o Programa Crescer, que oferece microcrédito produtivo orientado para pequenas e microempresas

Rádio Nacional, 14 de outubro de 2013

Luciano Seixas: Olá, bom dia! Eu sou o Luciano Seixas e começa agora mais um Café com a Presidenta Dilma. Bom dia, presidenta!

Presidenta: Bom dia, Luciano! E bom dia para você que nos acompanha aqui no Café!

Luciano Seixas: Presidenta, o Programa Crescer, que oferece microcrédito produtivo orientado para pequenas e microempresas, já completou dois anos. Conta para a gente como ele está beneficiando os pequenos empreendedores.

Presidenta: Olha, Luciano, o Programa Crescer está ajudando milhões de pequenos empreendedores a abrir ou ampliar o seu próprio negócio. Com o Crescer, o governo federal oferece crédito facilitado, que vai de R$ 300,00 a R$ 15 mil. Esse financiamento, esse crédito, Luciano, tem juros baixíssimos, de 5% ao ano. Isso quer dizer que são juros de apenas 0,4% ao mês. E veja só, Luciano, nesses dois anos, o Crescer já emprestou quase R$ 9 bilhões para as pessoas no Brasil inteiro. É um valor muito alto, e está beneficiando muita gente, Luciano. Sabe quantas pessoas já foram beneficiadas?

Luciano Seixas: Não, presidenta.

Presidenta: Três milhões e quinhentas mil pessoas. Veja bem, 3,5 milhões de brasileiros e brasileiras já tomaram um empréstimo do Crescer e agora estão investindo em seus pequenos negócios. Essas pessoas estão melhorando de vida, aumentando a renda da família e movimentando a economia nos seus bairros e na sua cidade. Com o Crescer, Luciano, o governo federal está apoiando o espírito empreendedor do brasileiro, encorajando muita gente a abrir ou ampliar seu próprio negócio. Luciano, o brasileiro é um povo esforçado, criativo, que luta e vai atrás do que quer. Se você dá uma oportunidade, ele pega com as duas mãos.

Luciano Seixas: Presidenta, quem pode ter acesso ao Crescer?

Presidenta: Podem tomar um financiamento do Crescer todos os brasileiros que querem montar o seu próprio negócio, ou, então, aqueles que já têm o seu negócio, o seu empreendimento e faturam até R$ 120 mil por ano, ou R$ 10 mil por mês. Você pode ver, Luciano, que é muita gente, de vários ramos de atividade: são vendedores de roupa, de lanches, as pessoas que vendem bijuterias, as que vendem artesanato ou quem tem um mercadinho, um armarinho, quem é costureira, quem é cabeleireira, quem tem uma pequena mercearia, quem tem um carrinho que vende picolé e pipoca, e muito mais negócios por aí. E as mulheres, Luciano, já são 64% dos clientes que tomam empréstimos no Crescer. Isso mostra a força da mulher no empreendedorismo nacional. Quem quiser, Luciano, pode ter acesso ao crédito do Crescer no Banco do Nordeste, na Caixa Econômica Federal, no Banco do Brasil, no Banco da Amazônia, no Banrisul, no Banestes e na Agência de Fomento do Paraná.

Luciano Seixas: E como o pessoal está investindo esse dinheiro do Crescer, presidenta?

Presidenta: Esse dinheiro do Crescer é usado para abrir o tão sonhado negócio e também para cobrir os gastos do dia a dia de quem já tem seu empreendimento, como a compra de mercadoria, a compra de embalagens ou um investimento em algum equipamento, como um freezer, uma máquina de costura, um fogão industrial, um computador, balcões, prateleiras e muito mais, Luciano. Veja, por exemplo, o caso da Lorena Becker. A Lorena passou 15 anos na estrada, que ela vendia roupa de porta em porta no interior do Rio Grande do Sul. Com esse trabalho, ela juntou umas economias e abriu uma lojinha do lado de casa, em Ijuí. Sabe, Luciano, ela precisava comprar móveis, comprar um computador para o seu negócio. E aí, a Lorena viu no Crescer uma chance de crédito barato e rápido. Da primeira vez, ela tomou R$ 1.300,00. Depois, tomou mais R$ 3.600,00 para continuar melhorando a sua loja. Hoje, a Lorena está toda feliz e ela disse que realizou o sonho de ter uma vida melhor. Esse sonho da Lorena é o objetivo do Programa Crescer e do meu governo, que é, Luciano, ajudar a realizar os sonhos de quem vai à luta.

Luciano Seixas: E a pessoa tem quanto tempo para pagar o Crescer?

Presidenta: Quando a pessoa toma um empréstimo para capital de giro, que é aquele usado no dia a dia do negócio, aquele que é usado para comprar mercadorias, o prazo para pagar é de até 12 meses. Agora, se o empréstimo é para investimento, como uma reforma, uma ampliação ou a compra de uma máquina, um equipamento, o prazo é bem maior e sobe para até três anos. Só para lembrar, Luciano, o empréstimo pode ser de R$ 300,00 a R$ 15 mil. O valor médio que o pessoal tem pegado emprestado é de R$ 1.300,00 aproximadamente. E, sabe, uma coisa me emociona, é que muitas dessas pessoas nunca tiveram acesso a crédito, nunca tiveram sequer uma conta bancária. Algumas nunca tinham nem entrado em um banco. Então, isso que nós estamos fazendo com o Crescer é uma inclusão financeira. Nós estamos levando cidadania e oportunidade para todas as pessoas.

Luciano Seixas: E como os bancos conseguem emprestar o dinheiro do Crescer com juros tão baixos, presidenta?

Presidenta: Os juros só são baixos assim porque o governo federal paga a diferença entre esses juros e o de mercado, o que ajuda a diminuir o custo do crédito. Essa diferença, Luciano, é o que a gente chama de subsídio. Fazemos isso porque, se os juros fossem altos, quem tem seu pequeno negócio teria mais dificuldade para tomar o empréstimo e pagar as prestações. No Crescer, as pessoas se esforçam para não atrasar o pagamento das parcelas do empréstimo. Veja só, 95% das pessoas que tomam empréstimo no Crescer, elas pagam em dia, Luciano. Olha o que aconteceu com o Rafael Andrade. O Rafael tem 20 anos e mora lá em Aracaju. O sonho da vida do Rafael era ser dono do seu próprio negócio. O que é que ele fez? Ele usou um dinheiro que tinha guardado, vendeu a moto e construiu um galpão, em casa mesmo, para vender, sabe o quê? Ração para animais. Mas aí faltou dinheiro para ele comprar a mercadoria, foi quando ele ficou sabendo do Programa Crescer. Foi no banco e tomou emprestado R$ 1.300,00 e começou a vender sacos de farelo, ração para cachorro e acessórios para animais. Depois, ele quis ampliar ainda mais o negócio, recorreu novamente ao Crescer. Nesse mês, veja só, já vai quitar o segundo empréstimo. Hoje, a vida dele deu um salto e, com o lucro que tira da loja, ajuda a mãe e os três irmãos que ele tem. Agora ele quer mais, ele quer fazer faculdade de veterinária. Parabéns para o Rafael!

Luciano Seixas: Que bonito exemplo, não é, presidenta?! Como é que o Crescer ajuda aquela pessoa que pegou o empréstimo pela primeira vez, mas não tem muita experiência para tocar um negócio?

Presidenta: Olha só, Luciano, além de emprestar os recursos, o dinheiro, o Crescer ajuda o microempreendedor a desenvolver e a gerir seu próprio negócio. Funciona assim: quando a pessoa vai lá em um daqueles bancos que eu citei há pouco, um agente de microcrédito dá a ele todas as informações sobre o programa. O Crescer, Luciano, é isso, empresta o dinheiro e orienta como melhor aplicá-lo para fazer o negócio melhorar. Esses agentes de crédito vão lá na empresa, Luciano, no negócio da pessoa ou na casa dos nossos pequenos empreendedores quando é o caso e ajudam a eles planejar as comprar, organizar os pagamentos, montar um fluxo de caixa, anotar tudo o que vende e a separar o orçamento da empresa do orçamento da família. Sabe, Luciano, eles ensinam a lidar melhor com o dinheiro e a gastar melhor para ter um lucro maior. O Crescer leva educação financeira para os nossos microempreendedores.

Luciano Seixas: E esses pequenos empreendedores também podem pegar crédito em grupo, presidenta?

Presidenta: Podem sim, Luciano, isso só depende da organização das comunidades. É o chamado crédito solidário. Olha que bacana, um grupo de moradores se organiza com amigos e vizinhos e toma um empréstimo no banco. Os negócios de quem está no grupo acabam crescendo junto e movimentando a economia do próprio bairro e da própria comunidade. Esse é um exemplo de como o microcrédito ajuda na geração de riquezas para o Brasil.

Luciano Seixas: Essas oportunidades também estão chegando para quem recebe o Bolsa Família?

Presidenta: Estão sim, Luciano. Daqueles 3,5 milhões de pessoas que já tomaram um empréstimo no Crescer, 1,2 milhão delas recebe o Bolsa Família. Isso mostra, Luciano, que, mesmo recebendo o benefício, essas pessoas continuam lutando para aumentar a renda e melhorar de vida. Olha só esse dado, Luciano: 76% dos empréstimos do Crescer foram para o Nordeste, como no caso da Dona Eudênia Pereira, que mora lá em Eusébio, perto de Fortaleza, no Ceará. A Eudênia cria, sozinha, dois filhos com a ajuda do Bolsa Família. Para colocar mais dinheiro em casa, ela vendia dindin – aquele picolé de saquinho que as crianças adoram. Um dia, a Dona Eudênia conheceu um grupo que tomava empréstimo do Crescer e resolveu participar também do programa. Primeiro, ela fez um empréstimo para comprar mais mercadoria. Depois, tomou um segundo empréstimo e comprou um freezer para armazenar picolé. Agora ela já tem uma pequena vendinha, que fica na sua própria casa. As vendas da Dona Eudênia cresceram e, hoje, a vizinhança toda passa lá para comprar alguma coisa gostosa. A Eudênia conta que era isso que ela queria da vida, trabalhar em casa e, ao mesmo tempo, cuidar dos filhos. Sabe quem ajudou muito a Dona Eudênia, Luciano?

Luciano Seixas: Quem, presidenta?

Presidenta: Foi o Thiago de Souza Lima, o agente de crédito do Crescer lá do Banco do Nordeste. Ele orientou a Dona Eudênia a melhorar o seu negócio. O Thiago passa sempre lá na casa dela e na de outros pequenos empreendedores que ele acompanha. Vai nas reuniões do grupo, tira as dúvidas e confere como cada um está tocando o seu negócio. O Thiago conta como é gratificante ver o olhar de felicidade da pessoa que está se organizando, que aumentou o seu faturamento e está melhorando de vida. Pois é isso que o Crescer e o meu governo estão fazendo, Luciano, estamos ajudando a aumentar a renda e a esperança de quem nunca pensou que um dia poderia ser dono do seu próprio destino e, assim, melhorar de vida.

Luciano Seixas: Que histórias bonitas de superação, presidenta! Obrigado por mais esse Café.


Presidenta: Obrigada, Luciano. Uma ótima semana para você e para os nossos ouvintes.

Luciano Seixas: Você que nos ouve pode acessar este programa na internet, o endereço é www.cafe.ebc.com.br. O Café com a Presidenta volta na próxima segunda-feira. Até lá!

Ouça a íntegra da entrevista (11min47s) da Presidenta Dilma