Você está aqui: Página Inicial > Mandatos de Dilma Rousseff (2011-2015 e 2015-2016) > Brasil em Pauta > Brasil em Pauta > Oportunidades de negócios para micro e pequenas empresas nas 12 cidades-sede da Copa 2014 é tema do Brasil em Pauta

Oportunidades de negócios para micro e pequenas empresas nas 12 cidades-sede da Copa 2014 é tema do Brasil em Pauta

por Portal do Planalto publicado 20/10/2011 13h21, última modificação 27/10/2013 17h29
O presidente do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Luiz Eduardo Barretto fala sobre o mapeamento feito pelo Sebrae em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), que identifica negócios com potencial de sucesso em nove setores da economia nas 12 cidades-sede da Copa do Mundo de 2014

 

O programa Brasil em Pauta recebe, nesta sexta-feira (21), o presidente do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Luiz Eduardo Barretto. Na pauta do programa, o mapeamento feito pelo Sebrae em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), que identifica negócios com potencial de sucesso em nove setores da economia nas 12 cidades-sede da Copa do Mundo de 2014. Outro assunto do programa é o projeto que amplia em 50% as faixas de enquadramento e o teto da receita bruta anual das empresas do Supersimples. Produzido pela Secretaria de Imprensa da Presidência da República, o Brasil em Pauta é um programa de rádio mensal que aborda ações e políticas do governo federal. A entrevista vai ao ar das 8h às 9h, com transmissão pela TV NBR.

A Copa do Mundo Fifa 2014 deve gerar 930 oportunidades de negócios para micro e pequenas empresas nas 12 cidades-sede. É o que mostra estudo desenvolvido pelo Sebrae em parceria com a FGV. O levantamento engloba nove setores da economia: agronegócio, madeira e móveis, vestuário, serviços, comércio varejista, construção civil, turismo, produção associada ao turismo (artesanato, cultura, entre outras atividades) e tecnologia da informação.

O mapeamento é uma das ações previstas no Programa Sebrae 2014, que receberá, até 2013, investimentos de R$ 80 milhões. Os recursos estão sendo aplicados em programas de consultoria, inovação e acesso a mercados, como o Sebrae Mais, Sebraetec, Agentes Locais de Inovação (ALI) e Centrais de Negócios. A primeira parte do mapeamento, que identificou as oportunidades na construção civil, turismo, produção associada ao turismo (artesanato, cultura, entre outras atividades) e tecnologia da informação, foi divulgada em março, no Rio de Janeiro.

Em junho, o Sebrae iniciou uma série de eventos com empresários nas 12 cidades-sede para divulgar os números locais do estudo. Os encontros já foram realizados no Rio de Janeiro, Brasília, Cuiabá, Natal, Recife, Belo Horizonte, Curitiba e Fortaleza. Nas próximas semanas, será a vez de Salvador, Porto Alegre, Manaus e São Paulo. Além de apresentar os resultados, as reuniões marcam também o primeiro momento de aproximação entre empresas demandantes e ofertantes.

As 930 oportunidades de negócios foram identificadas por recomendações de especialistas e validadas por grupos de empresários e representantes locais em cada uma das cidades-sede. Esses segmentos incluem as compras governamentais (com as garantias previstas na Lei Geral da Micro e Pequena Empresa) e os negócios diretamente com o mercado.

Supersimples – Outro tema que deve ser abordado pelo presidente do Sebrae durante a entrevista é o Supersimples. O Senado aprovou por unanimidade, em 5 de outubro, a íntegra do Projeto de Lei da Câmara (PLC) 77/11, que ajusta a Lei Geral da Micro e Pequena Empresa (Lei Complementar 123/06). O projeto aguarda sanção da presidente Dilma Rousseff.

Entre as medidas, o projeto amplia em 50% as faixas de enquadramento e o teto da receita bruta anual das empresas do Supersimples. O da microempresa passa de R$ 240 mil para R$ 360 mil e o da pequena sobe de R$ 2,4 milhões para R$ 3,6 milhões. O teto do Empreendedor Individual sobe de R$ 36 mil para R$ 60 mil.

As mudanças beneficiam diretamente as 5,5 milhões de empresas que integram o Simples Nacional, no qual também estão incluídos 1,6 milhão de empreendedores individuais. Com a lei sancionada ainda este ano, os ajustes passam a valer em 1º de janeiro de 2012.

O Simples Nacional reúne seis impostos federais – IRPJ, IPI, PIS, Cofins, CSLL e INSS patronal –, mais o ICMS recolhido pelos estados e o ISS recolhido pelos municípios. O projeto também cria o parcelamento, em até 60 meses, de débitos das empresas do Simples Nacional, o que até agora não era permitido. A medida já vale a partir de 2011 e beneficia mais de 500 mil empresas que estão em débito com os fiscos federal, estadual e municipal. Sem o parcelamento, elas seriam retiradas do sistema em janeiro de 2012. O PLC também admite que as empresas possam exportar até o mesmo valor do seu faturamento bruto anual sem risco de exclusão.

Participam do programa, ao vivo, as rádios Capital AM (São Paulo/SP), MEC 800 AM (Rio de Janeiro/RJ), CBN (Recife/PE), Nacional da Amazônia (Manaus/AM), Cultura FM (São Paulo/SP), BandNews FM (Brasília/DF), Educadora 107,5 FM (Salvador/BA), UFMG Educativa 104,5 FM (Belo Horizonte/MG), Banda B (Curitiba/PR), Difusora de Mossoró (Mossoró/RN), Udesc FM (Florianópolis/SC), Jangadeiro FM (Fortaleza/CE), Alternativa FM (Várzea Grande/MT), Arapuan (João Pessoa/PB), Universidade AM (Porto Alegre/RS).

O programa Brasil em Pauta é transmitido ao vivo pela TV NBR e pode ser acompanhado por meio do link http://conteudo.ebcservicos.com.br. Para as rádios, o sinal de transmissão é disponibilizado pelo mesmo canal da "Voz do Brasil". Após o programa, o áudio da entrevista estará disponível no portal da Presidência da República.

Mais Informações

Secretaria de Imprensa (61) 3411.1370

Ouça a íntegra da entrevista (48min37s) de Luiz Eduardo Barretto no programa Brasil em Pauta